Arte concreta: história do movimento concretista e seus principais artistas


O concretismo, ou arte concreta, foi uma das manifestações artísticas da primeira metade do século XX. A expressão “arte concreta” foi elaborada por Theo van Doesburg (1883-1931), que participou do grupo e revista homônimos fundados em 1930, em Paris. No texto de introdução do primeiro número da revista Arte Concreta, é introduzida o que seria a base da pintura concreta.

Manifesto da Arte concreta de Theo van Doesburg (em francês).

 

A arte concreta tenta abandonar qualquer aspecto nacional ou regional e se afasta inteiramente da representação da natureza. E, negando as correntes artísticas subjetivistas e líricas, recusa o sensualismo e a arte como expressão de sentimentos. Sem implicar uma arte figurativa, a arte concreta nasce também como oposição à arte abstrata, que pode trazer vestígios simbólicos por causa de sua origem na abstração da representação do mundo. Linha, ponto, cor e plano não figuram nada e são o que há de mais concreto numa pintura. Segundo Van Doesburg, um nu feminino, uma árvore ou uma natureza-morta pintados não são elementos concretos, mas abstrações. O que há de concreto numa pintura são os elementos formais.

Obra de Theo van Doesburg.

 
Após a Segunda Guerra Mundial a América Latina passou por um forte surto desenvolvimentista e industrial. No Brasil, são fundados os Museus de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ) e de São Paulo (MAM/SP), o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp) e a Bienal Internacional de São Paulo. Em 1950, Max Bill realiza exposição no Masp e, no ano seguinte, sua escultura Unidade Tripartida ganha o 1º prêmio na 1ª Bienal Internacional de São Paulo, o que influencia os caminhos da arte feita no país.

Peça de Amilcar de Castro exposta na SP-Arte/2018.
Peça de Amilcar de Castro exposta na SP-Arte/2018.  


Anos mais tarde em 1956/1957 é realizada a Exposição Nacional de Arte Concreta que reúne, além dos artistas do Grupo Ruptura, alunos de Ivan Serpa (1923-1973), que leciona pintura no MAM/RJ e de onde surge o Grupo Frente, formado por Décio Vieira (1922-1988), Rubem Ludolf (1932-2010), César Oiticica (1939) e Hélio Oiticica (1937-1980). Participam também, entre outros, Lygia Pape (1927-2004), Lygia Clark (1920-1988), Amilcar de Castro (1920-2002) e Franz Weissmann (1911-2005).


A artista Lygia Pape posa ao lado de uma de suas obras.

 

O artista Ivan Serpa posa ao lado de uma de suas obras.


O concretismo marcou a década de 50 na cidade de São Paulo e influenciou a produção local de arte, literatura, design e, principalmente, a arquitetura. Ainda hoje podemos reconhecer fortes características dele na produção contemporânea, como: abstracionismo, rigor geométrico e o uso de materiais industrializados (ferro, alumínio, vidro e o próprio concreto).

As estampas e formas geométricas têm um toque retro, mas também marcaram presença no estilo de forma mais minimalista, sendo usada apenas em destaques ou pontos de interesse na decoração.


1 comentário


  • OTAVIO MARTINS

    Olá, muito grato pelas belas imagens. Gostaria de saber o autor dessa antepenúltima obra acima, a composição em preto, cinza e madeira. Gratidão desde já!


Deixe um comentário


Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados